Biblioteca Virtual

Dicas para Leitura

DEZEMBRO/2017

Aberto ao público em 7 de dezembro de 2017, o Louvre Abu Dhabi, assinado pelo arquiteto francês Jean Nouvel, está localizado em uma ilha artificial nos Emirados Árabes Unidos. A construção, composta por 55 prédios individuais, com 23 galerias, restaurante, museu infantil, auditório e sala de exibições foi projetada para ser uma cidade-museu. Na cobertura, destaca-se um domo de 180 metros de diâmetro, estrutura que contém 7850 peças permitindo a entrada de luz natural. Os elementos do edifício imitam assentamentos característicos da região em que está inserido. Estão previstos para o entorno outros dois museus, o Guggenheim Abu Dhabi, projetado por Frank Gehry, e o Zayed National Museum, do escritório de Norman Foster. A chegada ao Louvre Abu Dhabi pode ser feita tanto por terra como por mar. Cerca de 5% do acervo é dedicado à arte moderna e contemporânea, porém, seu foco principal é história e religiões mundiais.

ADMINISTRAÇÃO/EMPRESAS

Parcerias

LOPES, Filipe. Estados e empresas: o que falta para uma boa relação? Problemas Brasileiros, São Paulo, n. 443, p. 8-13, dez./jan. 2018. Disponível em: <http://www.fecomercio.com.br/upload/file/2017/11/28/pb443_tela.pdf>.

O artigo trata das parcerias público-privadas (PPPs), área que de acordo com o autor é pouco explorada no Brasil. Em seu entendimento, a colaboração entre essas duas instâncias pode vir a ser uma alternativa de grande importância no que diz respeito aos investimentos em infraestrutura, transporte, energia e saúde. Entretanto, insegurança jurídica contratual, alta carga tributária e politização de estatais não melhoram as perspectivas do setor.

AGRICULTURA

Produção

CAETANO, Rodrigo. Oportunidade sustentável. Problemas Brasileiros, São Paulo, n. 443, p. 50-53, dez./jan. 2018. Disponível em: <http://www.fecomercio.com.br/upload/file/2017/11/28/pb443_tela.pdf>.

Em uma área de pouco mais de 2 mil hectares no interior paulista, agrônomos estão realizando uma experiência que pode mudar os rumos da agricultura. A ideia é simular o ambiente de uma floresta, mas de forma controlada. Culturas frutíferas, como limão, banana e maracujá, são plantadas juntamente com eucaliptos, por exemplo. Na medida correta, esse modelo de lavoura proporciona um custo muito abaixo do cultivo tradicional, uma vez que dispensa o uso de agrotóxicos não há deterioração do solo.

ECONOMIA

Desenvolvimento

PEREZ, Fabíola. Amazonas: entre o retrocesso e o desenvolvimento. Problemas Brasileiros, São Paulo, n. 443, p. 36-41, dez./jan. 2018. Disponível em: <http://www.fecomercio.com.br/upload/file/2017/11/28/pb443_tela.pdf>.

A autora apresenta os entraves enfrentados com o alto custo logístico e a falta de infraestrutura adequada para o desenvolvimento econômico num dos maiores polos de negócios do país. A autora aponta que, se por um lado empresários de todo o mundo se reúnem na Zona Franca de Manaus para fechar parcerias e ampliar negócios nos setores comercial, industrial e logístico, por outro, os municípios próximos a Manaus não foram beneficiados. A região sul do estado tem sido palco de uma série de conflitos e ações criminosas, falta fiscalização nas regiões fronteiriças, os conflitos entre populações indígenas, fazendeiros e garimpeiros são comuns, sem contar a questão da exploração e do garimpo ilegal. 

 

COELHO, Vitarque Lucas Paes. A PNDR e a nova fronteira do desenvolvimento regional brasileiro. Boletim Regional, Urbano e Ambiental, Brasília, nº 17, p. 11-27, jul./dez. 2017. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&amp;view=article&amp;id=31588&amp;Itemid=7>.

O ensaio elaborado por Vitarque, ilustra aspectos do que é a Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR), seu desenvolvimento e percalços no decorrer de sua institucionalização.  No texto, o desempenho desta política é discutido com relação aos instrumentos de financiamento, às fragilidades na execução, aos esforços, e aos novos desafios. O trabalho também destaca o programa Rotas de Integração Nacional como estratégia atual de desenvolvimento e inclusão produtiva sob a coordenação do Ministério da Integração Nacional (MI).

INDICADORES

IDH

Atlas do desenvolvimento humano nas regiões metropolitanas brasileiras: Florianópolis, Sorocaba, Ride Grande Teresina e Ride Petrolina-Juazeiro. (Série: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil). Brasília: Ipea : PNUD : FJP, 2017. 60 p. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&amp;view=article&amp;id=31874&amp;Itemid=424>.

O estudo aborda as Regiões Metropolitanas (RMs) de Florianópolis e Sorocaba e as Regiões Integradas de Desenvolvimento (Rides) de Teresina, Juazeiro e Petrolina. Os indicadores municipais mostram as desigualdades e carências no município, mas não permitem localizá-las em seu espaço. Os atlas para os grandes aglomerados urbanos avançam neste sentido, fornecendo um retrato mais nítido das carências e desigualdades existentes em seu território, onde se concentra grande parcela das populações estaduais e brasileira.

RECURSOS HÍDRICOS

Bacias Hidrográficas

CARMO, Roberto Luiz do; ANAZAWA, Tathiane Mayumi. Hidromegalópole São Paulo-Rio de Janeiro: escassez hídrica, sobreposição de espacialidades e conflitos. Boletim Regional, Urbano e Ambiental, Brasília, n. 17, p. 61-68, jul./dez. 2017. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&amp;view=article&amp;id=31588&amp;Itemid=7>.

Os autores discutem o fenômeno da baixa nos índices pluviométricos nos anos de 2014 e 2015, caracterizado como uma estiagem de caráter prolongado. Mostram como, nesse contexto de escassez hídrica, foi criada uma nova espacialidade, a hidromegalópole São Paulo-Rio de Janeiro, e quais suas características básicas. Além disso, apontam o potencial de aumento de conflitos decorrentes dessa transposição de bacias hidrográficas em escala macrorregional.

URBANISMO

Sociologia Urbana           

OLIVEIRA, Claudia. O ambiente urbano e a formação da criança. São Paulo: Editora Aleph, 2004. 222 p.

<http://www.bibliotecavirtual.emplasa.sp.gov.br/Documentos/Dicas/2017/Dezembro/o-ambiente-urbano-e-a-formacao-da-crianca.pdf>

A maior parte da população brasileira vive em grandes cidades cujos espaços públicos estão cada vez mais limitados. O livro discute em que medida a configuração urbana afeta as crianças, levando-as a perder a dimensão do espaço público como lugar de brincar, de conviver e de aceitar o diferente, cerceando sua criatividade e restringindo suas atividades a espaços fechados. A obra é um convite à necessidade de se reconquistar o espaço da rua visando a formação de cidadãos mais plenos, tolerantes e conscientes.

SANEAMENTO AMBIENTAL

Abastecimento de Água

SANEAMENTO AMBIENTAL. São Paulo: Signus Editora, n. 187, dez. 2017. Disponível em <http://www.sambiental.com.br/revista/SA187.pdf>.

A edição apresenta artigos referentes à crise hídrica, ao descarte e a coleta de seletiva, a importância da participação do cidadão e as novas diretrizes de fiscalização e a primeira revisão do plano de saneamento. Discute ainda a importância da logística reversa na indústria do plástico e os porquês do estado de São Paulo estar à frente desse assunto.